Artigos


Dica de pesquisa: n„o use acentos!

 Valoriza√ß√£o profissional docente nos sistemas de ensino de Minas Gerais e Pernambuco
Duarte, Alexandre William Barbosa; Oliveira, Dalila Andrade
Práxis Educacional, Vitória da Conquista, vol. 10, n. 17, p. 67-97, jul./dez. 2014.

Acompanha-se, desde as décadas finais do século XX, uma preocupação com a valorização do magistério face à crescente demanda destes profissionais, oriundada expansão da oferta da educação básica no Brasil, e da ameaça de futura escassez de professores em determinadas etapas de ensino em determinadas disciplinas ou áreas de conhecimento. Organismos internacionais e instituições representativas do professorado ressaltam que são necessárias ações que visem à valorização social da profissão com vistas a uma mudança do atual quadro da força de trabalho do magistério público, haja vista que a dificuldade em atrair e manter bons profissionais no ensino reside, sobretudo, no baixo retorno salarial da carreira, nas condições de trabalho inadequadas nas escolas e no baixo prestígio social da profissão, contrastando com a alta expectativa depositada sobre a atuação dos professores. Tais ações envolvem, dentre outros aspectos, uma política de desenvolvimento profissional docente como possibilidade de progresso na vida profissional, que não se reduza apenas no aspecto formativo, mas que contemple também outros elementos de grande significância, comoo salário, as condições de trabalho e a progressão na carreira. Minas Gerais e Pernambuco têm se destacado no cenário nacional com profundas reformas emseus sistemas de ensino promovidas nas últimas gestões estaduais, apresentando políticas e ações que trazem em seu escopo a necessidade de valorizar os profissionais do ensino. Todavia, o que podemos perceber é que muitas dessas políticas e ações vão na contramão dos objetivos propostos, contribuindo, em grande medida, com um intenso processo de desprofissionalização da carreira.


 El docente de educaci√≥n b√°sica como objeto de estudio en los posgrados en educaci√≥n de excelencia en Brasil
Sime Poma, Luis
Revista Iberoamericana de Educaci√≥n Superior, M√©xico, unam-iisue/Universia, vol. IV, n√ļm. 11. 2013.

El propósito de este trabajo descriptivo y documental es indagar sobre el docente de educación básica como objeto de estudio en los posgrados en educación de excelencia en Brasil. Para ello, se identificaron los tres posgrados que obtuvieron la calificación más alta en la evaluación de la Coordinación de Perfeccionamiento del Personal de la Educación Superior (capes) y, al interior de ellos, se analizaron cinco grupos de investigación centrados en el estudio del docente, explorando en ellos su accesibilidad en internet, antigüedad, líneas específicas de investigación, producción académica, sinergias y personal involucrado; asimismo, se examinan las tesis de maestría y doctorado promovidas en dichos grupos.


 L‚Äô√©volution du champ de l‚Äôadaptation scolaire au Qu√©bec: politiques, savoir l√©gitimes et enjeux actuels
Gonçalves, Gustavo; Lessard, Claude
Canadian Journal of Education, 36:4, 2013.

Ce texte propose une analyse sociohistorique du champ politique de l’adaptation scolaire au Québec. Il analyse les positions de trois groupes d’intérêt distincts, à savoir : les autorités politiques et administratives, les groupes d’intervenants et les bénéficiaires des politiques. Trois périodes différentes sont identifiées, couvrant une période d’approximativement 50 ans : 1963-1977, 1978-1994 et 1995-2010. Le texte soutient l’hypothèse d’un couplage entre l’actuel modèle de régulation des systèmes éducatifs et les savoirs issus du courant des résultats probants, particulièrement, le modèle psychomédical, tel qu’institutionnalisé dans le champ de l’adaptation scolaire.


 O trabalho docente na educa√ß√£o infantil p√ļblica em Belo Horizonte
Pinto, Mércia Noronha; Duarte, Adriana; Vieira, Livia Maria Fraga
Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, set.-dez. 2012.

Este artigo resulta de uma pesquisa empírica sobre o trabalho docente na rede pública de educação infantil do município de Belo Horizonte. O marco dessa investigação é a implantação do Programa Primeira Escola, com a promulgação da lei n. 8.679/2003, que criou as Unidades Municipais de Educação Infantil (UMEIs). A partir dessa lei, Belo Horizonte deu início ao atendimento público às crianças com idade até 3 anos, ampliou as vagas para crianças na faixa etária de 4 a 5 anos, e criou o cargo de educador infantil, por meio de concurso público, para o exercício da função docente nessa etapa da educação básica. Os resultados mostram, entre outros aspectos, que a expansão da educação infantil pública no município de Belo Horizonte foi viabilizada mediante a criação de um cargo específico e com um salário inferior ao dos professores que atuam nas outras etapas da educação básica. 


 Regula√ß√£o educativa e trabalho docente em Minas Gerais: a obriga√ß√£o de resultados
Augusto, Maria Helena Oliveira Gonçalves
Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 03, p. 695-709, jul./set. 2012.

Este artigo apresenta a descrição e a análise das políticas educacionais em desenvolvimento no sistema estadual de ensino em Minas Gerais, tendo por objetivo identificar seus efeitos sobre as relações de trabalho docente. Tais políticas educacionais enquadram-se na modalidade de regulação educativa denominada obrigação de resultados, que compreende um conjunto de intervenções caracterizadas como medidas de controle com o propósito de obter maior eficácia escolar. O levantamento documental e a análise dos dados empíricos indicaram que as medidas empreendidas pelo governo concentram sobre os professores a responsabilização pelo êxito ou pelo fracasso dos alunos nos sistemas de avaliação em larga escala e nas avaliações regulares das escolas. A avaliação de desempenho dos professores e a avaliação institucional das escolas são vinculadas aos resultados escolares, sendo definidos centralmente, sem a participação dos professores, os percentuais de alunos que devem ser promovidos e os índices de proficiência a serem alcançados. Em tal contexto de cobrança de resultados, não são levadas em consideração as condições de trabalho docente na rede estadual de ensino em Minas Gerais. O artigo discute, com base nos autores pesquisados, novos modos de regulação educativa – mais horizontais e menos hierárquicos – na definição das políticas públicas de educação.


 Das pol√≠ticas de governo √† politica de estado: reflex√Ķes sobre a atual agenda educacional brasileira
Oliveira, Dalila Andrade
Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 115, p. 323-337, abr.-jun. 2011.

O artigo discute as políticas educacionais na atualidade, buscando analisar o contexto que engendra a Conferência Nacional de Educação (Conae ), sua principal proposta e os desdobramentos a partir de sua realização até a apresentação do Projeto de Lei n. 8.035/10 que propõe o novo Plano Nacional de Educação (PNE). Identifica como principal proposição da referida Conferência a constituição de um Sistema Nacional de Educação. Procura também compreender as razões que poderiam explicar tal proposição, após duas décadas de reformas que apontam para a descentralização e desregulamentação, e os conceitos que podem orientar a organização sistêmica em educação. Por fim, o texto busca explorar a relação entre políticas de governo e política de Estado, trazendo algumas indagações sobre os riscos e as possibilidades de mudança no plano legal que poderiam enfrentar os principais problemas apontados para a educação  brasileira na atualidade, demonstrando a contradição entre a proposição de sistema defendida na  Conae e sua ausência no projeto de lei do novo PNE.
 

 Pol√≠ticas para o Ensino M√©dio no Brasil: perspectivas para a universaliza√ß√£o
Melo, Savana Diniz Gomes; Duarte, Adriana
Cad. CEDES vol.31 no.84 Campinas May/Aug. 2011.

Este artigo busca analisar as inflexões ocorridas nas políticas para o ensino médio no Brasil, a partir de 2007, problematizando o contexto em que foram produzidas e as contradições presentes nesse processo. Procura identificar as mudanças empreendidas, os discursos que lhes deram sustentação e as medidas e programas governamentais decorrentes. Retrata e analisa essas mudanças e suas implicações no âmbito dos estados, enfocando o caso de Minas Gerais. Com base nos argumentos reunidos, aponta algumas considerações e tendências observadas no rumo traçado pelas políticas atuais, no que tange às finalidades e à universalização dessa etapa da educação básica no país.


 A Educa√ß√£o Infantil e o Plano Nacional de Educa√ß√£o: as propostas da Conae 2010
Vieira, Lívia Fraga
Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 809-831, jul.-set. 2010.

Nosso objetivo é destacar alguns aspectos da oferta de educação infantil no país nos últimos 10 anos, tendo em vista as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) de 2001. Transcorrido esse período, que se caracterizou pela implementação de políticas que objetivaram integrar creches e pré-escolas nos sistemas de ensino, em consonância com o marco legal pós-Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN, 1996), nós percebemos permanências, redefinições e tensões. Os subsídios para a elaboração do novo PNE, deliberados na Conferência Nacional de Educação (CONAE) no último abril, redimensionam metas para esta etapa da educação básica, no propósito mais geral de estabelecer as bases de um novo pacto federativo, visando à construção de um Sistema Nacional de Educação. Questionamos se as metas sugeridas pela CONAE para a educação da criança pequena consideram as tendências de cobertura de acesso observadas nos últimos 10 anos e se promovem investimento na perspectiva do marco legal que vem sendo construído nas duas últimas décadas.
 

 A produ√ß√£o acad√™mica sobre trabalho docente na educa√ß√£o b√°sica no Brasil: 1987-2007
Duarte, Adriana
Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. especial 1, p. 101-117, 2010. Editora UFPR.

Este artigo apresenta estudo quantitativo concernente às produções acadêmicas (dissertações e teses) sobre o trabalho docente na educação básica no período de 1987 a 2007. A fonte básica utilizada para levantamento dos trabalhos foi o “Banco de Dissertações e Teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES” e a busca se deu por meio de sete descritores, derivados da categoria principal “trabalho docente”. Os resultados deste estudo mostram o conjunto de trabalhos produzidos, a ordenação por períodos históricos, os principais aspectos investigados, a difusão de subtemas ao longo do tempo, os níveis e as etapas da educação pesquisados e os locais de produção. Trata-se de um trabalho de sistematização dos dados encontrados e de proposição de hipóteses de investigação para posterior elaboração do estado da arte.

 


 Os trabalhadores da educa√ß√£o e a constru√ß√£o pol√≠tica da profiss√£o docente no Brasil
Oliveira, Dalila Andrade
Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. especial 1, p. 17-35, 2010. Editora UFPR.

Este artigo analisa a constituição da profissão docente no Brasil, partindo do reconhecimento de que a profissionalização cresce na educação na proporção em que são ampliados os sistemas escolares. Analisando que os estudos sobre a profissão docente advêm de vertentes distintas (pedagógica, humanista e sociológica) e dos desdobramentos dessas concepções e estudos, a autora mostra a dimensão do problema da ambiguidade entre o profissionalismo e a proletarização na constituição da identidade profissional docente. O trabalho destaca que a profissão docente tem sido posta a pressões e câmbios advindos das novas regulações nos marcos das reformas educacionais dos anos 1990, de sorte que os padrões de organização educacional e escolar decorrentes dessas mudanças podem estar constituindo um novo perfil de trabalhador docente e uma nova identidade. O texto conclui analisando os impactos daquelas mudanças na profissionalização do magistério, que podem ser responsáveis pela alteração de duas faces importantes do trabalho docente: no que concerne ao objeto do trabalho e no que tange à organização do trabalho.

 


 Intensifica√ß√£o do trabalho e sa√ļde dos professores
Assun√ß√£o, Ada √Āvila; Oliveira, Dalila Andrade
Educ. Soc., Campinas, vol 30, n. 107, p. 349-372, maio/ago. 2009,

A centralidade atribuída aos docentes nos processos de reformas educacionais em curso traz novas exigências profissionais com efeitos sobre a sua saúde. Buscando resultados na literatura epidemiológica e ergonômica, este artigo tece relações entre o processo de intensificação do trabalho nas escolas e o tipo de adoecimento dos professores descrito nos estudos atuais. Sobre a intensificação, são mencionados fatores qualitativos, caracterizados pelas transformações da atividade sem o necessário suporte social para acomodar as exigências do trabalho, e fatores quantitativos, relacionados ao aumento do volume de tarefas nas escolas. As evidências trazidas ao texto permitem esboçar as bases de um modelo explicativo para o processo de morbidade docente calcado em determinantes ambientais e organizacionais e suas implicações sobre a atividade de trabalho na sala de aula.
 

 Envolvimento docente na interpreta√ß√£o do seu trabalho: uma estrat√©gia metodol√≥gica
Duarte, Adriana; Oliveira, Dalila Andrade; Augusto, Maria Helena; Melo, Savana
Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 133, p. 221-236, jan./abr. 2008.

O artigo discute a metodologia em desenvolvimento em projeto de pesquisa que tem como objeto a análise do trabalho docente, considerando sua natureza, configurações e sentidos. O texto apresenta as escolhas teórico-metodológicas efetuadas, o trabalho realizado em campo com os docentes e os resultados preliminares obtidos. As conclusões confirmam a expectativa inicial dos pesquisadores quanto à capacidade manifesta pelos professores de se envolverem na análise do próprio trabalho e à confiança no trabalho coletivo e na possibilidade de mudanças a partir da sua organização.
 

 O sofrimento no trabalho docente: o caso das professoras da rede p√ļblica de Montes Claros, Minas Gerais
Noronha, Maria M√°rcia Bicalho; Assun√ß√£o, Ada √Āvila; Oliveira, Dalila Andrade
Trab. educ. sa√ļde, vol.6, no.1, Rio de Janeiro, Mar./June 2008.

Estudos nas últimas décadas têm evidenciado que o adoecimento do professor teria origem no paradoxo entre sua missão e a invisibilidade do trabalho docente aos olhos da organização escolar. O objetivo deste estudo é identificar possíveis interseções entre o excesso e rigor das cobranças, que não vêm acompanhadas das condições necessárias para a realização do trabalho do professor, e os relatos de frustração presente entre esses profissionais. Para avaliar o trabalho em sala de aula de nove professoras, adotou-se a metodologia da ergonomia da atividade de trabalho. Viu-se que as professoras, depois de intervirem inúmeras vezes para separar brigas de alunos em sala de aula, deixam, outras vezes, de dar atenção ao fato. Existe um momento em que elas ignoram a indisciplina, parecendo expressar uma estratégia para lidar com essa perturbação. Os resultados indicam a elaboração de um modelo de planejamento com previsão de tempo para as inúmeras atividades previstas pela nova missão da escola, visando a descongestionar a sala de aula e evitar a sobreposição de tarefas cuja marca mais intensa são as interrupções descritas. 
 

 Trabalho docente na rede municipal de ensino de Belo Horizonte: an√°lise da produ√ß√£o acad√™mica
Duarte, Adriana
Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 2, 457-487, jul./dez. 2008.

Este artigo analisa a produção acadêmica sobre o trabalho docente desenvolvida por estudantes de mestrado, tendo como campo de estudo as escolas da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte, MG, no período entre 1986 e 2006. Neste intervalo de tempo foram encontradas nove dissertações de mestrado, classificadas em cinco subtemas. Para análise dessas dissertações observou-se a questão de pesquisa/objeto de investigação; o percurso epistemológico; as categorias chaves utilizadas; a opção metodológica; a abrangência do estudo; as principais conclusões. Buscou-se, na medida Jogos de vestir Jogos da barbie Jogos de cozinhar do possível, relacionar os estudos desenvolvidos nas dissertações com a produção teórica existente no campo específico da pesquisa sobre o trabalho docente.

 


 Pol√≠tica educacional e a re-estrutura√ß√£o do trabalho docente: reflex√Ķes sobre o contexto latino-americano
Oliveira, Dalila Andrade
Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 99, p. 355-375, maio/ago. 2007.

Este artigo discute como as políticas educacionais latinoamericanas têm alterado a realidade escolar e, particularmente, a relação entre trabalhadores docentes e escola. Parte de referenciais teóricos desenvolvidos em outros contextos – Europa e América do Norte – para analisar resultados de pesquisa documental realizada sobre a política educacional em curso em alguns países latino-americanos e pesquisa empírica desenvolvida com trabalhadores docentes de escola básica pública no Brasil. Constata-se que tais políticas têm engendrado nova organização do trabalho escolar que reflete um modelo de regulação educativa, produto de novas articulações entre as demandas globais e as respostas locais. Por meio da descentralização administrativa, financeira e pedagógica as escolas têm adquirido maior flexibilidade e autonomia, mas também têm respondido a uma demanda crescente de atividades e responsabilidades, o que tem contribuído para a intensificação e auto-intensificação do trabalho docente.

 


 Trabalho e emprego na educa√ß√£o infantil no Brasil: segmenta√ß√Ķes e desigualdades
Vieira, Lívia Fraga; Souza, Gizele de
Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. especial 1, p. 119-139, 2010. Editora UFPR.

Objetiva-se trazer resultados de pesquisa empírica sobre situações de trabalho e emprego nas instituições de educação infantil no Brasil, evidenciando o caso de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, que apresenta oferta em creches e pré-escolas, representativa da realidade dos grandes centros urbanos brasileiros. Efetuou-se o levantamento de fontes documentais, legislação, estatísticas, entrevistas e observações, no intuito de evidenciar as relações entre as tipologias das instituições de educação infantil e as formas de contratação, carreira, salário e condições de trabalho. As situações investigadas se referiram aos estabelecimentos de ensino público (estadual e municipal) e estabelecimentos de ensino privados, segundo as categorias particular, comunitária, filantrópica e confessional. Os estabelecimentos estudados foram escolhidos, segundo amostra intencional, por localização e público preferencial atendido. Informações também foram buscadas junto aos empregadores – públicos e privados e junto às representações sindicais/associativas dos profissionais, nos setores públicos e privados. Evidenciou-se existência de profissionais com status e formação/qualificação diferenciados, bem como variadas modalidades de relações de emprego e trabalho, que revelam processo de precarização no exercício profissional na educação infantil. Segmentações no interior do setor público, e entre setor público e privado, reiteram desigualdades históricas no campo. Por outro lado, uma demanda crescente por profissionalização é observada.

 


 "Agora seu filho entra mais cedo na escola": a crian√ßa de seis anos no ensino fundamental de nove anos em Minas Gerais
Santos, Lucíola Licínio de Castro Paixão; Vieira, Lívia Maria Fraga
Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 96 - Especial, p. 775-796, out. 2006.

Pela Lei federal 11.274/2006, promulgada em 6 de fevereiro deste ano, o ensino fundamental no Brasil passa a ter a duração de 9 anos, com a inclusão das crianças de 6 anos de idade. No entanto, alguns municípios e estados se anteciparam a esta lei, pois antes de sua promulgação já haviam estendido a obrigatoriedade escolar, a partir dos 6 anos, passando o ensino fundamental a ter um ano a mais de duração. Este é o caso de Minas Gerais que, em 2004, instituiu o ensino fundamental de 9 anos, incluindo as crianças de 6 anos de idade. Neste contexto, este artigo busca mostrar como foi implantado o ensino fundamental de 9 anos em Minas Gerais, considerando a realidade educacional brasileira. O objetivo é fazer uma análise sobre esta medida e identificar que condições possibilitaram sua emergência e as conseqüências de sua implementação para o ensino fundamental e para a educação infantil. Nesse sentido, considera-se a necessidade de discutir os efeitos de uma política em suas interações com outras políticas. Para isso, busca-se não endossar apenas os efeitos positivos mais aparentes e também não aderir apressadamente às críticas até então levantadas sobre esta política.
 

 Conflito docente no Brasil e manifesta√ß√Ķes sindicais: natureza e significados
Oliveira, Dalila Andrade; Melo, Savana
Revista Lusófona de Educação, 2006, 8, 117-132.

Este artigo discute algumas tendências concernentes à natureza e ao significado dos conflitos docentes ocorridos no Brasil entre os anos de 1998 e 2003, a partir de suas manifestações acolhidas ou preconizadas pelos sindicatos. Procura-se identificar e analisar os conflitos manifestos no período, desenvolver reflexão sobre a especificidade do trabalho docente e apresentar alguns aportes teóricos para ampliar a compreensão desses fenômenos. Como resultado, buscou-se quantificar e qualificar os conflitos, identificando os protagonistas e analisando a principal motivação desses, seus desenlaces e as vitórias obtidas. Conclui-se que o trabalho pedagógico vem sendo reestruturado nos últimos anos, em decorrência das reformas educacionais empreendidas, o que pode estar dando lugar a novos problemas, conflitos e resistências, como expressão da insatisfação dos docentes.
 

 Regula√ß√£o educativa na Am√©rica Latina: repercuss√Ķes sobre a identidade dos trabalhadores docentes
Oliveira, Dalila Andrade
Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 44. p. 209-227. dez. 2006.

O artigo discutirá algumas conseqüências que a nova regulação educativa na América Latina tem tido sobre o trabalho docente, sobretudo, as que se referem às relações de trabalho ou profissionalização e às relativas à identidade docente. Consideramos que a América Latina, a partir dos anos 1990, passou a viver um processo de reformas educacionais que estão inseridas em um contexto de reformas mais amplas ao nível do Estado, e que tais processos resultaram em uma nova regulação educativa. Essa nova
regulação traz significativas mudanças à gestão escolar e, por conseguinte, às condições de trabalho nas escolas, o que tem resultado em reestruturação do trabalho docente. As discussões aqui trazidas são resultados de pesquisas realizadas no contexto brasileiro, integradas a investigações em outras realidades nacionais na América Latina.
 

 Pol√≠tica educacional como pol√≠tica social: uma nova regula√ß√£o da pobreza
Oliveira, Dalila Andrade; Duarte, Adriana
Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 279-301, jul./dez. 2005.

Aborda-se, neste artigo, a educação como política social no contexto das reformas educacionais em curso no Brasil desde os anos de 1990. Parte-se da constatação de que o país viveu um intenso processo de reformas educacionais, expresso em ações e medidas que alteraram a configuração do sistema, bem como o objetivo das políticas. Identifica-se clara orientação de focalização da política educacional no Brasil, obedecendo à mesma tendência evidenciada na condução das políticas sociais em geral e problematiza-se os programas de renda mínima associados à educação.

 


 Regula√ß√£o das pol√≠ticas educacionais na Am√©rica Latina e suas consequ√™ncias para os trabalhadores docentes
Oliveira, Dalila Andrade
Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 92, p. 753-775, Especial - Out. 2005.

O artigo procura discutir a atual regulação das políticas educativas na América Latina e suas conseqüências sobre os trabalhadores docentes. Parte da premissa de que um novo modelo de regulação de políticas educativas emergiu muito recentemente em conseqüência do ciclo de reformas que muitos países conheceram nos seus sistemas educacionais a partir dos anos de 1990. As reflexões trazidas neste artigo são resultantes de pesquisa em desenvolvimento sobre o tema, mais especificamente de levantamento documental e revisão bibliográfica realizados em estágio pós-doutoral no Laboratório de Políticas Públicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. O artigo procura caracterizar sumariamente o que seria o debate em torno de uma nova regulação das políticas educativas na América Latina e suas conseqüências para os trabalhadores docentes, a partir de alguns elementos que permitem conhecer a especificidade deste subcontinente, porém buscando interpretar tais elementos à luz de contribuições de autores que vêm se debruçando sobre o assunto partindo de diferentes contextos nacionais.
 

 A reestrutura√ß√£o do trabalho docente: precariza√ß√£o e flexibilidade
Oliveira, Dalila Andrade
Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, Set./Dez. 2004.

O artigo pretende discutir as atuais condições de trabalho dos docentes de escolas públicas brasileiras, tendo como referência resultados de pesquisas empíricas e revisão bibliográfica que demonstram um contexto de reestruturação do trabalho pedagógico. Parte-se da premissa de que com a reestruturação produtiva assistida de forma mais ostensiva nas duas últimas décadas, novas demandas têm sido apresentadas à educação escolar com relação aos seus objetivos, refletindo em mudanças nas formas de gestão e organização do trabalho na escola. Tais mudanças trazidas pelas reformas educacionais mais recentes têm resultado em intensificação do trabalho docente, ampliação do seu raio de ação e, conseqüentemente, em maiores desgastes e insatisfação por parte desses trabalhadores. O texto pretende, ainda, discutir como tais mudanças interferem no que se entende como processo de flexibilização e precarização do trabalho docente à luz das teses da desprofissionalização e proletarização.
 



gestradoufmg@gmail.com
TEL.: +55   31   3409.6372
 


AV. ANTÔNIO CARLOS, 6627
BELO HORIZONTE - MG - BRASIL
CEP: 31270-901
HOME
QUEM SOMOS
APRESENTAÇÃO
PESQUISADORES
PARCEIROS
CONTATO
PESQUISAS
PUBLICAÇÕES
ARTIGOS
LIVROS
TESES E DISSERTAÇÕES
OUTRAS PUBLICAÇÕES
NOTÍCIAS
EVENTOS
DICIONÁRIO
APRESENTAÇÃO
VERBETES
SOBRE OS AUTORES
AGRADECIMENTO
DEDICATÓRIA